Digital clock - DWR

terça-feira, 5 de abril de 2016

Dilma terá que governar com movimentos sociais

A presidenta Dilma Rousseff, após superar o processo de impeachment, deverá governar dando mais importância aos movimentos sociais. A tese foi defendida na noite desta segunda-feira (4) por diversas lideranças políticas, artísticas e religiosas, reunidas em um ato contra o impeachment intitulado Brasil Pela Democracia. 

O encontro ocorreu no Teatro Casa Grande, tradicional palco de lutas e resistência histórica contra a ditadura militar, na zona sul do Rio. O teólogo e escritor Leonardo Boff disse que Dilma deve fazer uma coalizão com os movimentos sociais, em sintonia com as demandas que vêm das ruas, por avanços no campo popular.
“A Dilma terá que mudar e governar com os seus aliados que estão aí, que são uma rede imensa de comunidades, o que será uma chance de organizarmos um futuro diferente para o nosso país. É possível [o fortalecimento do governo] se ela fizer outro tipo de coalizão, não a partidária, pois essa ela vai ter que fazer, para funcionar minimamente o governo. Mas a grande coalizão tem que ser com os movimentos sociais, que apoiam as mudanças para responder aos gritos da população, que não quer mais saber de uma política de negociatas, mas a refundação do Brasil em novos valores, que colocam o bem comum no centro e não a macroeconomia capitalista”, disse Boff.
O líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, disse que o Brasil vive uma grave crise econômica, política, social e ambiental, mas que o governo é apenas uma peça neste processo. “Os capitalistas brasileiros e internacionais querem sair da crise aumentando suas taxas de lucro e para isso precisam tirar direitos dos trabalhadores e voltar com o processo de privatização das elétricas e do pré-sal, rasgando a CLT [Consolidação das Leis do Trabalho]”.
Segundo o líder do MST, não será aceito nenhum tipo de golpe político. “Não podemos aceitar nenhum golpe no país, mas ao mesmo tempo achamos que as forças de esquerda têm que discutir um projeto. Não basta defender a democracia e evitar o golpe. A esquerda e os movimentos populares precisam apresentar propostas de como sair da crise. E tudo isso tem que ser feito nas ruas.”
Stédile disse que, caso a direita consiga consolidar o impeachment, os movimentos sociais irão imediatamente ocupar as ruas. “O MST e todos os movimentos populares vão para as ruas, ficar em vigília permanente para inviabilizar o golpe. Não basta eles tirarem a Dilma e colocarem o Temer. Isso não é solução para nada. Nós estaremos mobilizados para que não haja ruptura da democracia no Brasil.”
Presente ao ato, o ex-governador gaúcho Tarso Genro, que ocupou vários cargos no governo Lula, inclusive o de ministro da Justiça, disse que o momento atual é de resistência democrática e defesa do estado de direito. “O Brasil vai ser outro, não se sabe qual, depois da votação do impedimento da presidenta. Se nós superarmos esta etapa, temos que reconstruir politicamente o campo democrático, popular e da esquerda, para dar sustentação ao que deve ser um novo governo. Esta é a expectativa dos movimentos sociais e do campo político da esquerda: que o governo mude e para melhor”.
Também participaram do ato as atrizes Bete Mendes e Teresa Seiblitz, a cantora Beth Carvalho, o reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Roberto Leher, o presidente estadual do PT e prefeito de Maricá, Washington Quaquá, a presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Carina Vitral, o babalorixá Ivanir dos Santos, entre outros.
Créditos: Rede Brasil Atual

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores.