Digital clock - DWR

sábado, 31 de dezembro de 2016

Reajuste do "salário mínimo" ficará abaixo da infração

Diário Oficial da União de ontem saiu o decreto fixando em R$ 937 o valor do salário mínimo a partir de 1º de janeiro, conforme anunciado na véspera pelo governo. O reajuste é de 6,48% sobre o atual, de R$ 880. E fica menor que a inflação medida pelo INPC-IBGE calculada pelo próprio governo: a estimativa do Ministério da Fazenda para 2016 é de 6,74%.
O novo valor do piso nacional também está abaixo da aprovado pelo Congresso no Orçamento Geral da União para o próximo ano, que foi de R$ 945,80 – isso representaria um reajuste de 7,48%. Nesse caso, o governo argumentou que o INPC, usado como referência no cálculo, ficará abaixo do previsto inicialmente. "Em virtude da inflação menor em 2016, o reajuste será menor do que o previsto na LOA (Lei Orçamentária Anual). Trata-se, portanto, de aplicação estrita da legislação", diz, em nota, o Ministério do Planejamento.
Nem tanto, considerando-se que o reajuste ficará abaixo do INPC de 2016 – o índice de dezembro será divulgado pelo IBGE em 11 de janeiro. De janeiro a novembro, a inflação está acumulada em 6,43%.
A lei a que o Planejamento se refere é a 13.152, de 29 de julho deste ano, ainda no governo Dilma, que fixa uma política de valorização do salário mínimo de 2016 a 2019. A regra prevê aplicação do índice de inflação (INPC) do ano anterior mais, a título de aumento real, o Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes. No caso de 2017, já se sabia que não haveria ganho real, porque houve queda no PIB de 2015 (-3,8%).
A questão é se haverá aumentos reais em 2018 e 2019, caso o PIB brasileiro cresça nesses anos, por causa da chamada PEC do teto, a proposta de emenda à Constituição aprovada neste mês pelo Senado. Se o governo ultrapassar o limite de despesas, o salário mínimo não terá reajuste acima da inflação, acabando com uma política conquistada após mobilização das centrais sindicais, que a partir de 2004 fizeram uma série de marchas a Brasília. De acordo com o Dieese, de 2003 a 2016, o mínimo foi reajuste em 340%, enquanto a inflação do período somou 148,34%, com um ganho de 77,18%.
Confirmada a restrição ao ganho real, seria mais uma iniciativa do governo contrária aos gastos sociais. Na mesma nota em que informa sobre o novo valor, o Planejamento afirma que o reajuste significa incremento de R$ 38,6 bilhões na massa salarial, ou 0,62% do PIB, o que terá, acrescenta, "efeitos positivos na retomada do consumo e do crescimento econômico ao longo do ano".
Um pesquisador da Fundação Getúlio Vargas, depois contestado pela FGV, chegou a fazer simulação e demonstrou que, caso as regras da PEC valessem desde 1998 o salário mínimo atual seria de aproximadamente de R$ 400, menos de metade do valor oficial.
O Dieese aponta o salário mínimo como um fator de ampliação do mercado e de redução da desigualdade. Em 1995, com um piso nacional era possível comprar 1,02 cesta básica. Neste ano, 2,14, em valores de janeiro. O instituto calcula que 48 milhões de pessoas têm rendimento referenciado no salário mínimo, inclusive aposentados e pessoal da ativa.
Créditos: Rede Brasil Atual

Movimentos populares carregarão bandeira das "Diretas Já" em 2017

“2016 foi uma tragédia para a reforma agrária”, afirma João Pedro Stedile. O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra publicou um vídeo nesta sexta-feira (30), onde faz um balanço das lutas no campo este ano.
Stedile destaca que os interesses dos trabalhadores rurais e dos camponeses foram “duramente afetados” pelas medidas do governo Temer, que assumiu a Presidência da República após o impeachment de Dilma Rousseff. 
Segundo o coordenador do MST, “os golpistas assumindo o poder, representaram, na verdade, a hegemonia completa dos interesses do agronegócio, dos latifundiários, das grandes corporações transnacionais da agricultura, que agora estão presentes e controlam o Congresso, o poder Judiciário e a mídia corporativa”, explica. 
A recente investida do governo não eleito de Michel Temer, que editou nas vésperas do Natal a Medida Provisória 759 “sem nenhuma discussão com os movimentos, ou com a sociedade”, como lembra Stedile, irá alterar a política de regulamentação fundiária rural e urbana e paralisará “ainda mais a reforma agrária”, afirma o dirigente. 
“Ela entrega, legaliza toda a grilagem de terras públicas na Amazônia, porque todos aqueles fazendeiros que grilaram terras públicas ao longo desses anos, agora, se aprovada a lei, poderão regularizá-las, de uma maneira muito rápida e praticamente sem custo”, disse.
O coordenador do MST destacou ainda que os camponeses terão vários desafios pela frente em 2017, entre eles, “o desafio político”. “Nós não poderemos suportar mais, um governo impostor, golpista, que está acelerando tudo o que eles não fizeram nos últimos 30 anos e querem fazer agora, em alguns meses”.
Por fim, Stedile explica que os movimentos que integram a Frente Brasil Popular carregarão, em 2017, a bandeira pelas “Diretas Já”. “Nós do MST, nos somamos com os movimentos populares da Frente Brasil Popular, para exigir eleições ‘Diretas Já’ em outubro de 2017. Não apenas para escolher um novo presidente da República, mas para eleger inclusive um novo Congresso. Porque esse Congresso que está aqui, ele é o resultado da Lava Jato. Mas de 300 congressistas são citados nas delações, que receberam propina e caixa dois para se eleger”.
Créditos: Brasil de Fato

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Desemprego atinge mais de 12,1 milhões de trabalhadores

A taxa de desemprego no Brasil atingiu 11,9% no trimestre encerrado em novembro, a mais alta da série da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, iniciada em 2012. Segundo o IBGE, que divulgou os resultados, houve "estabilidade estatística" em relação ao período junho/agosto (11,8%), mas a taxa cresceu 2,9 pontos em 12 meses – em novembro de 2015, era de 9%. 

O total estimado de desempregados chegou a 12,132 milhões, 108 mil a mais no trimestre (0,8%, dentro da margem de estabilidade) e 3,018 milhões a mais em um ano, crescimento de 33,1%.

O total de ocupados (90,210 milhões) ficou estável ante agosto (variação de 0,1%) e caiu 2,1% em 12 meses, com perda de 1,941 milhão de postos de trabalho. Já a força de trabalho variou 0,2% e 1,1% (mais 1,076 milhão), respectivamente. O acréscimo de 3,018 milhões de desempregados equivale, com arredondamento, à soma da vagas perdidas (1,941 milhão) e do número a mais de pessoas (1,076 milhão) no mercado.

Os empregados no setor privado com carteira assinada somaram 34,075 milhões no trimestre encerrado em novembro. Esse número mostra estabilidade ante agosto e perda de 3,7% em 12 meses, o equivalente a menos 1,323 milhão de vagas formais.

O total de empregados sem carteira (10,450 milhões) cresceu 2,4% e 3,5%, com mais 246 mil e 350 mil pessoas, respectivamente. E os trabalhadores por conta própria, estimados em 21,938 milhões, reduziram-se em 1,3% no trimestre (menos 297 mil) e em 3% em um ano (menos 673 mil).


Entre os setores, em relação a novembro do ano passado, a indústria perdeu 1,026 milhão postos de trabalho, queda de 8,2%. A construção fechou 702 mil vagas (-9%) e a agricultura/pecuária, 438 mil (-4,7%). O setor de comércio e reparação de veículos ficou estável (-1%, ou menos 178 mil ocupados). Entre os serviços, o segmento de alojamento/alimentação cresceu 7,8% em 12 meses, com abertura de 346 mil vagas.
Estimado em R$ 2.032, o rendimento médio dos ocupados manteve-se estável na comparação com o trimestre anterior e também em um ano, com variações de 0,2% e -0,5%, respectivamente. Já a massa de rendimentos (R$ 178,859 bilhões) variou 0,3% ante agosto e caiu 2% em 12 meses. Isso equivale a uma perda de R$ 3,736 bilhões no período.
Créditos: Rede Brasil Atual

Brasil só vai superar crise se passar por novas eleições, diz Lula

O Brasil só vai superar a crise e retomar o crescimento se investir mais no mercado interno e passar por novas eleições. O alerta é do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que publicou um vídeo em sua página no facebook pra comentar o cenário político e econômico do país.
"O Brasil depende muito, mas muito do seu mercado interno. Nós somos mais de 204 milhões de pessoas, nós temos um potencial extraordinário de aquecer o nosso mercado interno e para isso é preciso a gente ter uma política de crédito mais agressiva... É preciso voltar a discutir desenvolvimento, discutir crescimento econômico, que gera emprego, que gera aumento de salário, que gera consumo, e que gera mais emprego", resume Lula.
O ex-presidente aponta as razões para o governo de Michel Temer estar levando o país a uma crise econômica sem precedentes. "Tem duas palavras mágicas em economia: credibilidade e previsibilidade. Se o povo e o governo não tiverem isso, ninguém acredita, nem o mundo exterior, nem aqui internamente."
Lula aponta a necessidade de recuperar a credibilidade do governo central e a previsibilidade das políticas econômicas e sociais. "Penso que, se a gente quiser voltar a crescer, vai ter que pensar em ter um presidente eleito democraticamente pelo povo. Como a gente não pode esperar até 2018, quem sabe a gente tenha que fazer uma PEC (proposta de emenda à Constituição) e antecipar as eleições."
Créditos: Rede Brasil Atual

Deputados querem rever isenção de impostos a igrejas e times de futebol

Os deputados federais devem reavaliar as isenções tributárias oferecidas a empresas como igrejas e clubes de futebol, por exemplo. Estas isenções representam um terço do déficit das contas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em 2017, que será de R$ 181 bilhões.

De acordo com o G1, isenções concedidas por lei a pequenos empresários, indústrias, entidades filantrópicas e produtores rurais, que correspondem a R$ 62,5 bilhões em contribuições que poderiam ser destinados à Previdência, são alguns dos benefícios que devem ser revistos.

Os principais alvos, segundo a matérias, seriam isenções concedidas a igrejas e instituições de ensino religioso, além de clubes de futebol, que anteriormente recolhiam um percentual da folha de salários e agora pagam 5% sobre o total do faturamento.

As centrais sindicais também apoiam a medida, pois acreditam ser uma forma de reduzir o impacto das mudanças que serão trazidas pela reforma da Previdência.
O governo ainda não se posicionou oficialmente, mas tem estimulado os deputados a avançarem na discussão.
Créditos: Focando a Notícia

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Governador da Paraíba defende pacto nacional por eleições diretas

ricardo coutinho
O governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), ao comentar a possibilidade da cassação da chapa Dilma-Temer pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em 2017 defendeu que haja um pacto nacional por eleições diretas presidenciais. 

“Em caso de prosperar a cassação de toda a chapa presidencial vencedora de 2014 não há remédio paliativo, daí a importância de um Pacto nacional ajustando calendários para a realização de eleições diretas como solução mais consistente”, diz.
Ele projeta ainda “tempos ainda mais difíceis em 2017, por isso a necessidade de estabelecer um Pacto para evitar maiores retrocessos”.

“A situação está se agravando a cada dia com governos sem saber o que vai acontecer no mês seguinte ou quem será a vítima do mês”, afirmou. Coutinho diz que o PSB precisa retomar o projeto progressista do partido e defende Ciro Gomes como candidato à Presidente da República.

Na terça-feira (27), a defesa de Dilma disse que a decisão judicial que determinou busca nas gráficas que atuaram na campanha presidencial de 2014 “causa perplexidade”.

“Assim como a atuação da defesa de Dilma Rousseff foi fundamental para demonstrar o falso testemunho à Justiça Eleitoral praticado pelo Sr. Otávio Azevedo, deve-se assegurar o respeito ao contraditório e ampla defesa para que, uma vez mais, seja demonstrada a regularidade das despesas realizadas pela chapa Dilma-Temer em relação às empresas periciadas. A defesa de Dilma Rousseff renova seu pleno respeito aos princípios de Estado Democrático de Direito e confia que a Justiça Eleitoral, novamente, reconhecerá a absoluta regularidade das despesas contratadas pela chapa Dilma-Temer”,afirmaram em uma nota enviada à imprensa.
Créditos: Revista Forum

Governo aposta em concessões de projetos de infraestrutura em 2017

Em 2017, o governo pretende conceder à iniciativa privada a administração de aeroportos, rodovias, ferrovias, portos, além de blocos para a exploração de petróleo. A maior parte dos 34 projetos que já fazem parte do Programa de Parceria de Investimentos (PPI) deve ser licitada no ano que vem. Além disso, o governo prepara um novo pacote de projetos de concessões, que deve ser anunciado em março.


O primeiro leilão de concessão à iniciativa privada de 2017 será o de aeroportos, para a transferência da administração dos terminais de Porto Alegre, Florianópolis, Salvador e Fortaleza. A licitação está prevista para o dia 16 de março e o governo espera arrecadar, no mínimo, R$ 3 bilhões em outorgas com as concessões.
Ainda em março, no dia 23, está marcado o leilão para arrendamento de duas áreas e infraestruturas públicas para movimentação e armazenagem de granéis líquidos, localizadas no Porto de Santarém (PA).

Já no setor rodoviário, dois editais de concessões devem ser lançados no primeiro semestre de 2017: trecho das BRs-364/365, entre Goiás e Minas Gerais; e BRs-101/116/290/386, no Rio Grande do Sul. A previsão é que os dois leilões aconteçam no segundo semestre.

Até o fim do ano que vem também devem ser leiloadas a Ferrovia Norte-Sul, que passará por São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Tocantins; a chamada Ferrogrão, que integrará o Mato Grosso e o Pará, e a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), na Bahia.
Energia
No segundo semestre de 2017, devem ocorrer a 14ª rodada de licitações de blocos para exploração de petróleo e gás natural e a segunda rodada de leilões de blocos do pré-sal. As duas já foram aprovadas pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).
Na área de energia, também está prevista a venda de ativos da Companhia de Pesquisa e Recursos Minerais e a privatização da Amazonas Distribuidora de Energia, da Boa Vista Energia, da Companhia de Eletricidade do Acre, da Companhia Energética de Alagoas, da Companhia Energética do Piauí e das Centrais Elétricas de Rondônia.
Até agora, o governo vem cumprindo o cronograma do PPI, apresentado em setembro. O primeiro leilão realizado foi o da distribuidora de energia Celg-D, de Goiás, que foi comprada pelo grupo italiano Enel Brasil por R$ 2,187 bilhões. Também já foram lançados os editais que estavam previstos no cronograma deste ano.

O secretário executivo do PPI, Moreira Franco, diz que o cumprimento dos prazos é fundamental para o sucesso do programa. “O governo seguirá com a intensa agenda prevista para o PPI no começo de 2017, observando prazos e compromissos assumidos na busca obstinada da garantia de previsibilidade, transparência e segurança jurídica em todos os processos de concessão, de modo a ampliar a concorrência, a competição e a atração de investimentos, que nos permitirão seguir construindo um caminho para que o país volte a crescer e a gerar os empregos necessários.”
Créditos: Agencia Brasil

Hoje é o último dia de funcionamento das agências bancárias em 2016

Hoje (29) é último dia de funcionamento das agências bancárias para atendimento ao público. A partir de amanhã (30) as agências ficam fechadas e só abrem no próximo dia útil, dia 2 de janeiro. Por isso, as pessoas que precisam resolver questões bancárias este ano precisam fazê-lo até hoje.
Vale lembrar que todas as contas com vencimento nos dias em que as agências estiverem fechadas podem ser pagas no primeiro dia útil após o vencimento sem incidência de multa. Do dia 30/12/2016 até 01/01/2017, os clientes podem realizar operações bancárias nos caixas eletrônicos, internet bankingmobile banking e banco por telefone.
Existem ainda os correspondentes bancários, que são casas lotéricas, agências dos Correios, redes de supermercados e outros estabelecimentos comerciais credenciados. Eles também podem realizar operações bancárias, mas o cliente precisa verificar os horários de funcionamento de cada um, que são independentes dos bancos.
Créditos: Agencia Brasil

Benefícios do alho

O Alho é um dos alimentos mais presentes na cozinha brasileira. Em média no Brasil consomem-se 300 mil toneladas de alho por ano, sendo que o país, na última safra, produziu 111,8 mil toneladas. Além de ser utilizado em diversas comidas por seu sabor, o alho possui propriedades que inibem o crescimento de bactérias e vírus, além de ajudar a fortalecer o sistema imunológico.
A alicina, um composto presente no alho, funciona como um potente anti-inflamatório e ajuda a baixar os níveis de colesterol e pressão arterial. Segundo o Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos, vários estudos mostram uma associação entre o aumento da ingestão de alho e a redução no risco de certos tipos de câncer, como o câncer de estômago, cólon, esôfago, pâncreas e mama.
Mas nem todas as formas de consumir alho produzem estes benefícios para a saúde. Para aproveitá-lo ao máximo é preciso ingeri-lo cru. Segundo estudo da Fapesp - Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Sao Paulo, “o alimento perde praticamente todas as suas propriedades funcionais dependendo do tipo de processamento ao qual é submetido”
Na pesquisa, foi analisada a presença de alicina em três processos de industrialização do alimento: picado e frito, fatiado e frito e em forma de pasta. Seis meses após preparada, houve redução do teor de alicia na pasta de alho de cerca de 30%. Nas formas fritas, após os 45 primeiros dias, esta substância já era praticamente inexistente, segundo a coordenadora do estudo, a agrônoma Patricia Prati.
A Organização Mundial da Saúde recomenda para adultos o consumo diário de 2 a 5 gramas de alho fresco (aproximadamente um dente de alho), que pode ser ingerido com água, chás ou sucos.
Créditos: Brasil de Fato

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Desemprego deve piora em 2017

A reação lenta da economia às medidas do governo piorou as expectativas para a retomada do emprego. O mercado de trabalho, que já tende a responder com defasagem à melhora na atividade, deve levar mais tempo ainda para se recuperar do que inicialmente projetado. A taxa de desemprego atual, de 11,8%, deve chegar a superar 13% em 2017, segundo projeção do Santander.

Economistas do banco previam uma taxa média de 11,6% para o ano que vem, mas revisaram o número para 12,7% depois da divulgação dos resultados fracos do PIB do terceiro trimestre. Em novembro, o Indicador Coincidente de Desemprego da Fundação Getúlio Vargas, que mede a percepção das famílias sobre o mercado de trabalho, subiu 3,8 pontos. O pessimismo foi maior entre aquelas com renda mensal entre R$ 2.100 e R$ 9.600.

“Os dados mostram que o otimismo acerca da atividade econômica e, por conseguinte, com as contratações ao longo dos próximos meses parou de aumentar”, diz o economista da FGV Fernando de Holanda Barbosa Filho. O Bradesco também elevou sua expectativa de desemprego de 12,5% para 12,9%. Segundo o banco, a criação líquida (a diferença entre as vagas criadas e as fechadas) de 150 mil postos formais no próximo ano não será suficiente para compensar o aumento do número de pessoas procurando emprego.

A estimativa da instituição financeira é que a população economicamente ativa cresça 1,2% em 2017, fruto tanto de novos ingressantes no mercado de trabalho como também de pessoas hoje inativas que, estimuladas pelos primeiros sinais de recuperação, voltarão a buscar emprego. Fonte; Folha de S Paulo.
Créditos: Focando a Notícia

O Índice de Confiança de Serviços recuou pelo terceiro mês seguido

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) do Brasil recuou pelo terceiro mês seguido em dezembro, para o menor nível desde junho passado com piora, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira. O ICS caiu 1,8 ponto em dezembro e foi a 75,7 pontos, após perda de 1,4 ponto no mês anterior, acumulando perdas de 4,9 pontos desde setembro.
O destaque para o resultado foi o Índice de Expectativas (IE-S), que recuou 2,9 pontos, para 81,6 pontos, enquanto o Índice da Situação Atual (ISA-S) caiu 0,7 ponto, para 70,2 pontos no período.
"A mensagem dos números da sondagem de serviços nesse final de ano é de que o setor deve prosseguir com fraco desempenho no início de 2017", disse em nota o consultor do FGV/IBRE Silvio Sales.
Segundo a FGV, "ao longo do ano, as avaliações das empresas sobre a situação corrente permaneceram em patamares muito baixos, embasadas em uma percepção mais realista sobre a evolução dos negócios. O ajuste para baixo das expectativas sugere que o setor demorará mais tempo que se previa anteriormente para retornar ao crescimento". O setor de serviços é mais um a mostrar perdas da confiança em dezembro, depois do consumidor, da construção e da indústria. Fonte: Reuters.
Créditos: Brasil 247

Centrais e juristas condenam reforma trabalhista de Temer

As centrais sindicais se manifestaram contra a proposta de reforma trabalhista apresentada na quinta-feira (22) pelo governo Michel Temer (PMDB). Na reforma, Temer amplia a jornada de trabalho para até 12 horas diárias e possibilita que negociações entre patrões e empregados tenham prevalência sobre a CLT.
Para a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o projeto é ineficaz, inoportuno e autoritário. Segundo o presidente da CUT, Vagner Freitas, a central não foi chamada para discutir o projeto, que partiu de forma unilateral.

“Ao contrário do que disse o governo Temer, a CUT não foi chamada em momento algum para negociar mudanças na legislação trabalhista. A CUT é contra toda e qualquer retirada de direito da classe trabalhadora e lutará para que isso não aconteça. Não vendemos direitos dos trabalhadores.”
Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) também afirmou que não foi chamada para discutir o projeto. Segundo a central,  Temer tenta restaurar o projeto de reforma trabalhista do governo de Fernando Henrique Cardoso, arquivado em 2003 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Trata-se de uma séria ameaça contra direitos trabalhistas fundamentais, conquistados ao longo de séculos de luta, como a restrição da jornada de trabalho diária a 8 horas e férias de 30 dias, entre outros”, escreveu a central.
Para Freitas, o pacote é ineficaz porque não resolve a grave situação política, econômica e institucional que o país atravessa. “Além de não atacar a estagnação econômica, a crise da indústria e o desemprego que atinge milhões de famílias, não propõe a criação de empregos. É típico de um governo sem nenhuma credibilidade, que está com popularidade semelhante à de (Fernando) Collor quando assumiu a presidência, confiscando a poupança dos trabalhadores”, criticou.
Segundo reportagem do jornal “Valor Econômico”, Temer passou o texto nas mãos do empresariado para modificações antes de apresentá-lo. De última hora, os empresários garantiram o retrocesso nos poucos itens que poderiam beneficiar os trabalhadores, segundo o jornal.
Além da ampliação da jornada para até 12 horas diárias e da prevalência do negociado sobre o legislado, a reforma vai instituir o almoço de apenas 30 minutos, o fatiamento das férias e a extensão do contrário temporário sem benefícios trabalhistas. Segundo o Valor, a proposta inicial previa que esses contratos parciais fossem limitados a 10% dos quadros dos funcionários, mas esse ponto foi retirado do projeto pelos empresários.
“O método só comprova o modus operandi de um governo ilegítimo, que não foi eleito e não tem preocupação com as relações sociais, nem com a opinião da sociedade, que demonstra a falta de compromisso dos golpistas com o povo, com a classe trabalhadora. Ao tomar essa decisão, o governo do golpista e ilegítimo de Temer demonstra mais uma vez o desrespeito para com a representação e a negociação de temas extremamente importantes para toda a sociedade”, afirmou o presidente da CUT.
Freitas refutou o argumento do governo, do empresariado e da mídia corporativa de que a flexibilização das leis trabalhistas são necessárias para a criação de mais empregos. “Trata-se de medidas que atendem apenas a interesses do empresariado. Em vez de criar empregos, leis frouxas têm a finalidade de enfraquecer os direitos dos trabalhadores e os sindicatos, aumentando a precarização do trabalho e o lucro. Serão criados os chamados empregos intermitentes, em que o trabalhador ficará à disposição do empregador e só receberá e terá benefícios calculados sobre o período trabalhado”.
Freitas lembrou de países que adotaram medidas semelhantes, como Chile e México, sem, no entanto, conseguir criar bons empregos e obter bons resultados para a economia. Ao contrário, o presidente da CUT defendeu a criação de empregos de qualidade, o fortalecimento das entidades sindicais, com maior participação e fiscalização dos trabalhadores, inclusive sobre questões relativas ao financiamento da atividade sindical, como o fim do imposto sindical, uma estrutura falida, segundo ele. “Não há democracia sem sindicato forte, que traz benefícios para todos.”
Créditos: Agencia PT

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Contas do governo têm pior resultado desde 1997

As contas do governo federal tiveram um deficit de R$ 38,4 bilhões em novembro, o pior resultado para o mês desde o início da série histórica, em 1997. No mesmo mês do ano passado, o saldo negativo foi de R$ 21,2 bilhões. As informações foram divulgadas ontem pelo Tesouro Nacional.

O deficit no acumulado do ano é de R$ 94,2 bilhões, também o pior resultado para o período (janeiro a novembro) desde 1997. No mesmo período do ano passado, o deficit acumulado era de R$ 54,1 bilhões.

Em novembro, a Previdência Social teve um deficit de R$ 18,9 bilhões -um resultado pior que os R$ 14,8 bilhões registrados no mesmo mês de 2015. No acumulado de janeiro a novembro de 2016, o deficit da Previdência chega a R$ 142,8 bilhões.

O Tesouro Nacional atribui o crescimento das despesas em 2016 principalmente ao pagamento de benefício previdenciários, que subiu R$ 29,4 bilhões e chegou a R$ 461,8 bilhões. Além disso, menciona o pagamento de subsídios e subvenções, que cresceu R$ 3,2 bilhões e totaliza R$ 23,7 bilhões, e o pagamento do abono salarial, que, junto com o seguro-desemprego, subiu R$ 4,9 bilhões, para R$ 53,5 bilhões.
Créditos: Folha de S Paulo

Cientistas desenvolvem método para reverter envelhecimento

Se você já quis voltar aos tempos em que era mais jovem, saiba que essa possibilidade está mais próxima do que você imagina. Uma equipe de pesquisadores do Instituto Salk de Estudos Biológicos criou um método capaz de reverter o envelhecimento de células humanas in vitro, e utilizou esse mesmo método para tratar ratos de laboratório com doença de envelhecimento precoce.
O processo desenvolvido pelos cientistas estimula determinados genes do DNA de ratos e humanos chamados de "fatores Yamanaka". Os fatores Yamanaka regulam o desenvolvimento das células e, ao serem estimulados, fazem com que elas voltem a ser células-tronco, que são um estado embriônico a partir do qual elas podem se transformar em células de qualquer tipo. O vídeo abaixo fala mais sobre a pesquisa:
Nos primeiros testes com os ratinhos, os cientistas estimularam continuamente os fatores Yamanaka. No entanto, isso fez com que os animais desenvolvessem tumores. Em seguida, eles testaram estimular esses fatores de modo descontínuo, mas regular: os ratinhos receberam tratamento dois dias em cada semana. Dessa vez, os resultados foram positivos. 
Fonte da juventude
Para os testes, foram usados ratos com uma doença chamada progeria, que também afeta humanos. Essa doença, conhecida também como envelhecimento precoce, faz com que sintomas de envelhecimento (como enfraquecimento dos músculos, perda de agilidade mental e deterioração do sistema imunológico) comecem a aparecer cedo demais.
No entanto, com a estimulação dos fatores Yamanaka, os ratos com progeria tinham aparência mais jovem e melhor funcionamento do coração. O mais impressionante, porém, é que eles viveram até 30% mais do que ratos com progeria que não passaram pelo tratamento.
Testes também foram realizados com ratos saudáveis, e nesse caso os resultados também foram positivos. Os cientistas trataram ratos de meia idade com a mesma terapia e observaram que a capacidade de regeneração dos músculos e do pâncreas dos ratinhos melhorou consideravelmente. Embora esses sejam apenas alguns sintomas de envelhecimento, o resultado mostra que a terapia pode ser usada para melhorar a qualidade de vida de pessoas idosas.
Finalmente, células humanas também foram tratadas com esse processo numa situação de laboratório. Foi possível reproduzir nelas os mesmos efeitos positivos que os ratos demonstraram. Mas "obviamente, ratos não são humanos e nós sabemos que será muito mais complexo rejuvenescer uma pessoa", disse Juan Carlos Belmonte, um dos principais autores do estudo. 
A juventude nunca sai de você
De acordo com Paloma Martinez-Redondo, outra autora da pesquisa, "esse trabalho mostra que mudanças epigenéticas são pelo menos parcialmente responsáveis pelo envelhecimento". Mudanças epigenéticas são alterações que fazem com que determinados genes do nosso DNA se tornem mais ou menos ativos.
Em outras palavras, estimular determinados genes do DNA pode fazer com que o envelhecimento de células - e talvez até de nossos corpos inteiros - seja revertido. "Esse estudo mostra que o envelhecimento é um processo muito dinâmico e plástico, e que portanto será muito mais suscetível a intervenções terapêuticas do que inicialmente achávamos", disse Belmonte.
Com isso seria possível, por exemplo, criar uma pílula contendo moléculas capazes de estimular os fatores Yamanaka de algumas de nossas células. As pílulas seriam tomadas de maneira cíclica (uma a cada sete dias, por exemplo) e, dessa forma, seriam capazes de nos tornar mais jovens de novo.
Mas esse ainda é um projeto para o futuro. Os cientistas acreditam que os primeiros testes clínicos de terapias desse tipo ainda estão a cerca de dez anos de distância. Isso porque o estímulo contínuo dos fatores Yamanaka, como dito no começo, pode provocar tumores - um risco extremamente grave, como aponta a Scientific American. No entanto, é possível que, daqui a 20 anos, você possa realizar um tratamento para voltar a ser como é hoje. Foto: Olhar Digital / Reprodução.
Créditos: Olhar Digital

Pesquisa alerta para riscos de câncer de pele

Resultado de imagem para câncer de pele ebc
As altas temperaturas, típicas do verão brasileiro, exigem medidas e cuidados para combater e prevenir o câncer da pele, o de maior incidência no Brasil e nos demais países. Pesquisa da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) aponta que 4,5 milhões de brasileiros já tiveram câncer da pele.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê que, no ano 2030, serão registrados 27 milhões de casos novos de câncer, 17 milhões de mortes pela doença e 75 milhões de pessoas vivendo com câncer. O maior efeito desse aumento incidirá em países em desenvolvimento. No Brasil, o câncer já é a segunda causa de morte por doenças, atrás apenas das doenças do aparelho circulatório.
A pesquisa aponta, ainda, que mais de 100 milhões de brasileiros se expõem ao sol de forma intencional nas atividades de lazer, 3% dos brasileiros não usam protetor solar no seu dia a dia e 6 milhões de brasileiros adultos não se protegem de forma alguma quando estão na praia, piscina, cachoeira, banho de rio ou lago.
O estudo indica, também, que – dos entrevistados que têm filhos até 15 anos – 20% dessas crianças e adolescentes não se protegem de forma alguma nas atividades de lazer. Se a análise incluir as classes D/E, o percentual sobe para 35%.
Erros comuns, que as pessoas cometem no cuidado com a pele, aumentam a incidência de câncer. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, não usar filtro solar diariamente, não reaplicar o filtro solar, achar que em dias nublados ou chuvosos não precisa do filtro e usar maquiagens, que contenham filtro e achar que só isso já é o suficiente para se proteger são os erros mais frequentes.
Outros erros apontados são usar filtro solar só no rosto e esquecer do corpo, se expor ao sol e querer se bronzear, fazer bronzeamento artificial e não ir ao dermatologista regularmente.
A recomendação é se proteger do sol, usar o filtro solar diariamente, fazer o autoexame da pele e ir ao dermatologista. Segundo a SBD, “o sol não é um vilão, mas a exposição solar indiscriminada, desprotegida e intermitente pode torná-lo um vilão por ele ser o principal fator de risco para o câncer da pele”.Da Agência Brasil.
Créditos: Rede Notícia

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Juro do cartão de crédito sobe 482,1%

O juro médio total cobrado no rotativo do cartão de crédito subiu 6,3 pontos porcentuais de outubro para novembro, informou nesta sexta-feira, 23, o Banco Central. Com a alta na margem, a taxa passou de 475,8% ao ano em outubro para 482,1% ao ano em novembro. Esta é a maior taxa da série histórica do BC para o rotativo do cartão de crédito, iniciada em março de 2011.
O juro do rotativo é a taxa mais elevada desse segmento e também a mais alta entre todas as avaliadas pelo BC, batendo até mesmo a do cheque especial. No caso do parcelado, ainda dentro de cartão de crédito, o juro caiu 1,1 ponto porcentual de outubro para novembro, passando de 156,1% ao ano para 155,0% ao ano.
Nesta quinta-feira, 22, o presidente Michel Temer e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, confirmaram que as regras do crédito rotativo vão mudar. A intenção é fazer com que, após um mês no rotativo, o cliente tenha sua dívida automaticamente transferida para o parcelado, que possui taxas de juros menores. A mudança está sendo formulada pelo Banco Central e precisará ser aprovada no Conselho Monetário Nacional (CMN). Foto: EBC.
Créditos: WSCOM

Aumento de salários de vereadores é barrado pela Justiça

 O Tribunal de Justiça de São Paulo, suspendeu o reajuste de salários dos vereadores da capital paulista, que havia sido aprovado pelos próprios parlamentares na terça-feira, 20. O juiz Alberto Alonso Muñoz concedeu decisão liminar contra o aumento, em ação popular de autoria da bancária e sindicalista Juliana de Oliveira.

Em seu despacho, o magistrado afirmar que o aumento de salários fere o artigo 21 da Lei de Responsabilidade Fiscal, segundo o qual "também é nulo de pleno direito o ato de que resulte aumento da despesa com pessoal expedido nos 180 dias anteriores ao final do mandato do titular do respectivo Poder". Por 30 votos a favor e 11 contra, os vereadores concederam reajuste de 26,3%, fazendo com que os salários subissem de R$ 15 mil para R$ 18,9 mil.
Créditos: Rede Brasil Atual

Médicos alertam para risco de complicações vasculares no verão

Rio de Janeiro - Praia de Copacabana no primeiro final de semana do verão no Rio de Janeiro(Fernando Frazão/Agencia Brasil)
Com o início do verão e o aumento das temperaturas, os cuidados com a saúde devem ser redobrados, afirmou o diretor da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), Julio Peclat. Em parceria com a Sociedade de Cardiologia do estado do Rio de Janeiro (Socerj), a entidade está alertando a população sobre as mudanças fisiológicas que as elevadas temperaturas podem provocar no sistema cardíaco, além de vasodilatação, que ocasiona inchaço nos membros inferiores.
“Do ponto de vista vascular, o calor gera um fenômeno chamado vasodilatação. Você tem uma dilatação dos vasos e isso gera aumento da estase venosa, ou dificuldade de o sangue dos membros inferiores chegar ao coração. Isso se torna mais lento e, muitas vezes, esse sangue sai de dentro para fora do vaso. Isso leva ao inchaço, aos edemas dos membros inferiores”, explicou.

De maneira geral, esse fenômeno é benigno mas pode, também, ser sinal de algum problema de saúde, como insuficiência venosa crônica, varizes, edema linfático ou trombose, destacou o especialista. “Sempre que isso fugir um pouco do normal, a dica é procurar um angiologista ou cirurgião vascular para fazer um exame vascular mais detalhado”, disse Peclat.

Em função dos riscos, ressalta-se a importância de a população ter alguns cuidados para diminuir a possibilidade desse inchaço.  Realizar atividade física regular, evitar ambientes muito quentes e exposição direta ao sol, evitar ficar muitas horas sentado na mesma posição ou em pé, sempre caminhar um pouco, mesmo que seja dentro do ambiente menor, são alguns desses cuidados.

A SBACV e a Socerj recomendam ainda que a pessoa tome, pelo menos, entre dois e três litros de líquidos por dia, de preferência água. “Nessa época do ano, a pessoa sua muito, perde muito líquido. Por isso, é importante repor esse líquido”. A alimentação também deve ser leve, evitando comidas gordurosas ou pesadas, dando preferência a carnes brancas e saladas. O sal deve ser reduzido porque absorve muito líquido e pode colaborar para o inchaço de membros inferiores e superiores.

Outra dica é evitar corridas e jogos de praia, como vôlei e futevôlei, nos horários mais quentes, entre 10h e 16h (no horário de verão, de 11h às 17h), e usar bloqueador solar, boné, viseiras, óculos e chapéus. “Usar tudo que tem direito para se proteger, porque o inchaço é um dos problemas relacionados ao calor”.

Julio Peclat esclareceu que em pacientes mais idosos, que já têm uma cardiopatia, há chances de o coração acabar sendo afetado pelas temperaturas mais altas. “Ele vai perder mais líquido, porque o sangue fica mais viscoso. Então, teoricamente, esse paciente fica mais suscetível a algum problema cardiovascular”.

A desidratação pode ter efeitos graves para o paciente que tem doença cardiovascular ou cardiovascular periférica, relacionados à perda do nível de consciência, desmaios e queda de pressão arterial. “Tem que ter cuidados, principalmente nos extremos: crianças e idosos. Porque, nessas fases, os mecanismos responsáveis pela termorregulação não são tão eficientes", adverte a SBACV. A ingestão de líquidos, insistiu o médico, protege rins, coração, entre outros órgãos. Foto: Fernando Frazão/EBC.
Créditos: Agencia Brasil

Cientistas confirmam eficácia de vacina contra Ebola

Uma equipe de cientistas confirmou ontem, por meio de um artigo científico, a eficácia de uma vacina contra o vírus Ebola. A vacina rVSV-ZEBOV provou-se capaz de impedir que pessoas que tiveram contato com indivíduos infectados com o vírus viessem a desenvolver a doença, que é uma das mais letais conhecidas atualmente.
De acordo com o Guardian, a pesquisa sobre essa vacina começou por causa de uma epidemia de Ebola que começou em dezembro de 2013 na Guiné e em Serra Leoa, na África ocidental. A epidemima matou mais de 11 mil pessoas e infectou ao menos 28 mil, o que provocou uma resposta global para combater o crescimento da doença.
Os testes foram realizados na Guiné, onde 5.837 pessoas foram vacinadas. Elas foram divididas em dois grupos: parte delas foi vacinada imediatamente após ter contato com a doença, e outra parte recebeu a vacina três semanas depois. De todas elas, apenas 23 desenvolveram a doença, todas elas do grupo que recebeu a vacina três semanas depois do contato. Apenas duas das pessoas vacinadas apresentaram efeitos colaterais. 
Conforme o The Verge nota, os pesquisadores precisaram realizar seu trabalho em condições muito pouco favoráveis. No artigo, eles afirmam que "o sistema de saúde da Guiné estava sobrecarregado, potenciais candidatos a vacinação se preocupavam em aceitar um remédio em fase de testes desenvolvido por estrangeiros, e as equipes de resposta ao Ebola estavam encarando problemas de segurança".
Além disso, como os cientistas apontam, "uma epidemia devastadora de Ebola claramente não é a situação ideal para se condizur um teste de vacinas". No entanto, a urgência da situação exigiu que eles seguissem com seu trabalho mesmo assim.Os testes foram financiados por organizações internacionais como a OMS (ORganização Mundial da Saúde), bem como os governos canadense e norueguês.
Nesse contexto, eles optaram por realizar um procedimento de "vacinação em anel": quando um novo caso de ebola era confirmado, eles ofereciam a vacina a todas as pessoas que haviam tido contato com o indivíduo infectado nas três semanas anteriores. Cada "anel" desses continha cerca de 80 pessoas, e 117 aneis foram identificados.
Os candidatos eram sorteados aleatoriamente entre o grupo que receberia a vacina imediatamente e o grupo que só a receberia após três semanas. No final do período de testes, porém, quando começou a ficar claro que a vacina era eficaz, os pesquisadores começaram a oferecer vacinação imediata a todos os candidatos.
A empresa Merck, Sharp & Dohme foi a responsável pela produção da vacina, e já recebeu permissões para acelerar a produção da medicação nos Estados Unidos e na Europa. Com fundos da GAVI Alliance (um órgão mundial de saúde preventiva), a empresa já se comprometeu a produzir 300 mil doses que ficarão prontas para uso caso haja indícios de que uma nova epidemia pode surgir.
"Embora esses resultados positivos cheguem tarde demais para aqueles que perderam suas vidas durante a epidemia de Ebola da África ocidental, eles mostram que quando a próxima epidemia de Ebola chegar, nós não estaremos indefesos", disse Marie-Paule Kieny, uma das autoras principais do estudo que confirmou a eficácia da vacina. Foto: Cellou Binani / AFP.
Créditos: Olhar Digital

domingo, 25 de dezembro de 2016

Papa Francisco critica consumismo e faz apelo por crianças refugiadas

Papa Francisco durante celebração da Missa do Galo, na basílica de São PedroO papa Francisco fez duras críticas ao materialismo e pediu que o mundo tenha compaixão com as crianças abandonadas à própria sorte, em mensagem durante a tradicional Missa do Galo, ontem (24).

Em sua homilia na basílica de São Pedro, no Vaticano, o pontífice disse aos 1,2 bilhões de católicos romanos que o mundo, obcecado com presentes, festas e egocentrismo, precisava de mais humildade.
Para o líder da Igreja Católica, o materialismo tornou as pessoas reféns neste Natal. "Temos que nos libertar", afirmou.

Na celebração, que teve a presença de mais de dez mil pessoas, além de dezenas de cardeais e bispos, o papa contou que "Jesus nasceu rejeitado por alguns e foi visto por muitos outros com indiferença".

"Hoje também a mesma indiferença pode existir, quando o Natal se torna uma festa onde os protagonistas somos nós, em vez de Jesus. Quando as luzes do comércio colocam a luz de Deus nas sombras, quando estamos preocupados com presentes, mais indiferentes ficamos com aqueles que são marginalizados", completou Francisco. 

O religioso também lembrou-se de crianças vítimas de guerras: "Deixemo-nos interpelar pelas crianças que, hoje, não estão deitadas em nenhum berço e nem são acariciadas pelo afeto de uma mãe ou um pai (...), mas que estão em algum refúgio subterrâneo para escapar dos bombardeios, sobre as calçadas de uma grande cidade, no fundo de uma barca repleta de migrantes".
Somente neste ano, mais de 5.000 pessoas morreram ao tentar cruzar o mar Mediterrâneo para chegar à Europa. Foto: lessandra Tarantino/Associated Press
Créditos: Folha de S Paulo

Gasolina sobe pela 3ª semana seguida

Gasolina sobe pela 3ª semana seguida
Os preços da gasolina e do diesel vendidos nos postos do Brasil subiram pela terceira semana seguida, após a Petrobras elevar no início do mês os preços nas refinarias, apontou na sexta-feira (23), um levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
Desde que a estatal anunciou o aumento dos preços, o litro da gasolina subiu R$ 0,10 nas bombas dos postos de combustíveis.

Entre 18 e 24 de dezembro, a média do preço da gasolina na bomba subiu 0,45%, para R$ 3,759 por litro, após ter avançado 1,38% (R$ 3,742) na semana anterior. Já o preço médio do diesel avançou 0,43%, para R$ 3,038 por litro após avanço de 1,41% na semana anterior.
O preço do etanol também subiu de R$ 2,824 o litro na última semana para R$ 2,836.

A Petrobras elevou, no dia 6 de dezembro, os preços do diesel nas refinarias em 9,5% e da gasolina em 8,1%, em média. Desde que a nova política de preços da petroleira passou a vigorar, em outubro, a Petrobras elevou os valores uma vez e reduziu em duas oportunidades. Mas as reduções não chegaram às bombas, com os agentes do mercado melhorando margens.
Créditos: Nossa Política

Avião cai com 92 pessoas a bordo

Um avião militar que seguia para a Síria caiu no mar Negro com 92 pessoas a bordo, segundo informações do Ministério da Defesa da Rússia.As equipes de resgate já encontraram destroços do avião, informaram veículos de imprensa russos.
Inicialmente, as agências russas reportavam 91 pessoas a bordo, informação corrigida pela Força Aérea russa.Os destroços foram localizados no mar, a uma profundidade de entre 50 e 70 metros, enquanto os serviços de emergência não acharam por enquanto sobreviventes na região, acrescentaram as fontes.
O aparelho, modelo Tupolev-154, com 83 passageiros e oito tripulantes, tinha decolado às 5h20 (horário local, 0h20 em Brasília) do aeroporto de Sochi, balneário às margens do Mar Negro, e 20 minutos depois desapareceu dos radares.
A bordo do avião viajavam militares e integrantes do coro e conjunto de dança Alexandrov, do Exército russo, que iam participar das festividades de Ano Novo na base aérea síria de Khmeimim, onde a Rússia tem um agrupamento de aviões de guerra.
O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse que o presidente russo, Vladimir Putin, foi informado imediatamente do fato.Fontes dos serviços de emergência indicaram que o Tu-154 procedia de Moscou e tinha feito escala no aeroporto de Sochi para reabastecer. (Com EFE e AFP.) UOL.
Créditos: WSCOM