Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Luta contra reforma trabalhista de Temer segue das ruas para o Senado, diz CUT

ato_paulista.jpg
Em entrevista que antecedeu o ato político de 1º de maio organizado pelas centrais sindicais CUT, CTB e Intersindical, na Avenida Paulista, em São Paulo, o presidente da CUT, Vagner Freitas, disse que as centrais sindicais irão nesta terça-feira (2) a Brasilia conversar com o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), líder de seu partido no Senado, e com a bancada da legenda na Casa, para discutir mudanças na reforma trabalhista. "Está claro que a opinião publica é contra essas reformas", afirmou.
Para Vagner, deputados e senadores têm a opção de ouvir a opinão pública, ou politicamente morrer abraçados com o atual governo federal. "O Temer não tem compromisso com a popularidade porque tem prazo de validade. Deputados e senadores que querem continuar em Brasília vão ter de ter o voto popular", completou.
Segundo o presidente da CUT, o ato de hoje é uma continuidade da greve geral em todo o país, na sexta-feira (28). "Ficou claro que o Brasil é contra as reformas propostas pelo Temer. Pesquisas como Datafolha e Ibope confirmam o que disse a (pesquisa) Vox Populi/CUT: é o presidente mais impopular da história do Brasil. Não tem legitimidade, nem credibilidade. Ele não tem mais condições de ser o presidente", acrescentou, manifestando-se a favor de eleições diretas já para reformular o Congresso Nacional.
Sobre a continuidade da luta popular contra as reformas estruturantes propostas pelo governo, Vagner afirmou que, se for necessário, as centrais sindicais e os movimentos populares vão promover uma "ocupação de Brasília" ou uma nova greve geral.
"Eu diria que Temer está com muito medo do Senado. O quadro vem se alterando", afirmou o presidente da CTB, Adilson Araújo, sobre a tramitação das reforma trabalhista, que teve substitutivo do deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) aprovado esta semana, em regime de urgência, pela Câmara e agora inicia sua tramitação pelo Senado.
"Aqui é o 1º de Maio dos 96% que não estão contentes com o governo Temer, que não querem a continuidade deste governo. Não é possível que um governo com 4% de apoio apresente reformas que afetam a vida de milhões de pessoas", afirmou o secretário geral da Intersindical, Edson Carneiro, o Índio, citando pesquisas eleitorais que expõem a impopularidade do atual governo e suas reformas que retiram direitos da população, além da crescente preferência por Lula em 2018.
O ato está sendo realizado na Avenida Paulista, na esquina com a Rua Haddockk Lobo. O presidente da CUT relatou que foi procurado pelo síndico de um prédio residencial em frente do qual foi estacionado o carro de som, afirmando que os moradores reclamavam do barulho.
Freitas solicitou ao trabalhador que respondesse aos moradores que a responsabilidade pelo desconforto não era dos sindicalistas, mas sim do prefeito João Doria (PSDB), já que a ideia original era realizar a manifestação em frente ao vão livre do Masp, mas a organização do ato foi obrigada a mudar o local, por determinação da CET. Doria chegou a entrar com ação na justiça para proibir o ato pelo Dia do Trabalhador.
Créditos: Rede Brasil Atual

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores.